Quinta-feira, 11 de Maio de 2006

4 - Sofrimento da velha mãe e o Silêncio do seu filho!

Após ver removidos, sem anestesia, os estilhaços visíveis (nesse dia foram trinta e três, nem de propósito!) e transportado a casa, experimentei à chegada o momento mais difícil e penoso (ainda hoje), de recordar.


 A cama foi o destino dos meus passos, sem dar lugar a qualquer troca de palavras.


(continua)

publicado por aalmeilda às 09:17
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 2 de Maio de 2006

3 - O metal que cobriu o horizonte

Ficou negro o horizonte visível. Mesmo depois de regressado o silêncio, restavam as partículas da artelharia usada, e os corpos cobrindo o asfalto e o estreito passeio.


Espalmados no solo, imóveis tolhidos pelo pânico, a maioria; sem vida, quatro infelizes. Estes os únicos que não experimentaram o dilema geral: "Aceitar o socorro prometido e ficar preso!".


O medo que todos atingiu, não impediu o auxilio aos que estavam capazes de se mover.


A fuga do local deu-se, conforme a prática da época: "cada um por si e nada de ajuntamentos!"


Furtivamente, de porta em porta e após espreitadelas, se foi construindo o percurso da fuga, que no meu caso passava por tomar o comboio no Rossio.


Descendo para Teatro de São Carlos pelas escadinhas deparei, ou fui seguido pelo estúpido chapéu de chuva colorido. Só muito recentemente entendi o que fazia aquele indivíduo: localizava os feridos em fuga!. Pois, como vim a saber, acompanhou outros companheiros e sempre até que deixaram o mesmo perímetro (o Quartel General da Polícia Política).


A visita ao edifício ajuda a compreender melhor a acção deste agente misturado com os manifestantes e era de facto notória a sua presença no meio daquela densa mole humana.


Foi esta a última manifestação de repúdio popular por aquela odiada mão do regime que, estranhamente, fizera um acordo de passividade com o golpe militar realizado pelos capitães.


Agora, que se aproxima o apagamento da memória da sua existência, com a conversão do Edifício em Condomínio Privado, mais difícil será testemunhar as pérfidas actividades destes agentes que mais pareciam ter surgido directamente do Tribunal do Santo Ofício.


Voltando à fuga... Entre curtos repousos, para descansar a perna que estava útil, lá fui chegando ao comboio, depois de me sentar... terei desmaiado.


Já com o comboio parado, fui despertado por uma voz que me gritou ou ouvido: "Não sais aqui?!"


Penso que deixei o comboio aos ombros de alguém. É certo que me levaram ao Posto Médico dos Bombeiros Voluntários de Queluz, como era de minha vontade. Tive oportunidade de liquidar a conta dos tratamentos.


(continua)

publicado por aalmeilda às 13:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15
16
17
18

21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Novo Espaço para o "seBAS...

. Estacionamento Eleitoral!...

. Biografia de Miguel Torga...

. 100 anos de Torga... Libe...

. Do rico espólio documenta...

. "Tomada do Castelo"... de...

. Inauguração Amanhã!

. Vem à Terra o mais ilustr...

. Silêncio à espera de Agos...

. A uma Boa Notícia ofereço...

.arquivos

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds